Conteúdo
20 anos do São Paulo Center em tom de Inovação
11/07/2016

20 anos do São Paulo Center em tom de Inovação

Em nossa primeira edição em comemoração aos 20 anos do São Paulo Center, recebemos Sabina Deweik, renomada cool hunter (caçadora de tendências e expert em perceber e antecipar mudanças de comportamento), para “bater um papo” com os nossos convidados e introduzir as mudanças que estão ocorrendo no mundo.

Estiveram presentes decisores paulistas e profissionais de diversas áreas para absorver a brilhante apresentação de Sabina, que durante a palestra, o tema inovação liderou o discurso, onde ela apresentou novos parâmetros culturais, comerciais, de empreendedorismo, que trazem uma verdadeira mudança radical na construção do futuro. Esta mudança torna-se o ponto de partida para uma reflexão sobre o Brasil, seu papel e seus novos desafios no mundo contemporâneo.

“Nossos avós viveram uma época de mudanças, nós estamos vivendo uma mudança de época.” – Frei Betto

Esse pensamento norteou a palestra e deixou evidente que estamos em um período de mudança que irá se estender nos próximos 10 anos.

Novos parâmetros culturais, comerciais, de empreendedorismo – e não somente estes – estão trazendo, a nível global, uma verdadeira mudança radical na construção do futuro. Esta mudança torna-se o ponto de partida para uma reflexão sobre o Brasil, seu papel e seus novos desafios no mundo contemporâneo.

Até hoje, o paradigma era a marca. Ao invés disso, da longa onda da crise, os novos valores da pós-opulência que irão emergir são:

  •  a sustentabilidade
  •  o compartilhamento
  •  a empatia
  •  a qualidade do tempo e do espaço
  •  o papel central da alimentação
  •  a diversidade
  •  a retomada da consciência coletiva

Nova economia colaborativa, revoluções pós digital, um mundo de relações humanas flexíveis, retomada de uma nova consciência coletiva e da busca por diversidade. O mundo definitivamente está em transição. Como disse o sociólogo Zygmund Bauman, “estamos em um estado de interregno, entre uma etapa em que tínhamos certezas e outra em que a velha forma de atuar já não funciona”.

Uma série de mudanças caracterizam esta fase de transição: o boom do empreendedorismo, a popularização das Startups, o crescimento do empreendedorismo, a intensificação da revolução feminina, o aumento do envelhecimento populacional global e as revoluções pós digitais. Tudo isso tende a modificar radicalmente não só nossa relação com as tecnologias, como também com trabalho, educação e até mesmo nossos valores mais intrínsecos. Podemos então prever transformações profundas em todos os sistemas que ancoram a economia e o mundo hoje.

Por conta de novas gerações que nasceram na era digital, a educação como conhecemos hoje também está com os dias contados. Quanto ao modelo de trabalho de oito horas por dia dentro das empresas, este, também se tornará cada vez mais distante, dando lugar a novas dinâmicas de espaço e novas configurações de emprego. Dentro dessa lógica, precisaremos nos reinventar todos os dias, reinventar nossas carreiras, e nossos modelos de negócio.

A diminuição do consumismo, a internet sendo utilizada para descentralizar poder de empresas, governos e instituições, o movimento crescente de pessoas produzindo seus próprios bens ou comprando de pequenos produtores, a colaboração, o compartilhamento e o crescimento da indústria criativa são alguns novos paradigmas que tem sustentado a nova economia. “Não sabemos o que vai a substituir isso. As certezas foram abolidas. Estamos experimentando novas formas de fazer coisas.”, analisa Bauman.

Através de inúmeras pesquisas globais foram identificadas quatro novas forças (paradigmas) que direcionarão o mercado e a sociedade: são novos parâmetros culturais, comerciais, empreendedoras que estão trazendo, em nível global, uma verdadeira mudança radical na construção de um novo futuro. Nos próximos 20 anos, os paradigmas constituirão a base para a construção de um novo cenário do qual todas as empresas e instituições não poderão escapar. São novos valores que definirão novos modelos de negócios.

  • 1.° paradigma: Crucial & Sustainable. A respeito do tema da sustentabilidade que irá moldar o futuro do nosso planeta e de todos os consumidores do mundo
  • 2° paradigma: Quick & Deep. A qualidade do futuro estará cada vez mais em sintonia com a ideia de respeito pelas pessoas, pelos consumidores em busca de experiências felizes, sem perseguir a quimera do luxo. A capacidade de ser rápido, oportuno, acessível deverá ser conciliada com a ideia de felicidade e profundidade de experiência.
  • 3° paradigma: Trust & Sharing. O futuro será caracterizado por uma relação muito mais próxima e de confiança, não só com a marca, mas também com a empresa inteira em seu complexo orgânico. As grandes empresas terão um novo papel de liderança e responsabilidade social e cultural muito além de seu produto. O compartilhamento com confiança será fundamental na relação com o consumidor.
  • 4° paradigma: Unique & Universal. A capacidade de produzir e comunicar uma identidade única e distinta, inclusiva e não exclusiva, fundada na dimensão cultural de sua história, mas também capaz de se estabelecer no exterior, no mundo global faminto por diversidade, constitui a condição do sucesso do negócio no futuro próximo.

Tendências

BRIGHT METROPOLIS: Tendência de comportamento que marca o crescimento da preocupação com o tecido social, a melhora da sustentabilidade, principalmente nos centros urbanos. Além de uma constante demanda dos consumidores por uma troca de valor que não seja unilateral.

BE THERE BRAND: Tendência de comportamento que demanda marcas espertas que se integram à vida das pessoas com um senso de urgência e que acrescentem recursos e criem atalhos que acelerem as entregas e a presença.

UNFILTERED WORLD: Tendência de convergência entre os canais on-line e off-line, o digital e o tangível, no comércio e serviços, nos pagamentos e na distribuição de bens de consumo, reconhecendo que a presença física é essencial para proporcionar experiências únicas e envolventes.

DIVERSITY PERFORMANCE: Tendência de comportamento de inclusão, da diversidade de gêneros, raças, propostas, ampliando uma nova consciência de produtos e serviços voltados para esta o novo coletivo.